Quer ser bartender nos EUA? Como obter um visto e o que esperar

  • Quer ser bartender nos EUA? Como obter um visto e o que esperar image 1

Escrito por:

Frank Sinatra cantou sobre isso, Salinger escreveu, Jay Z fez um rap. A Big Apple é uma perspectiva atraente e uma experiência de aprendizado para aqueles intrigados pelas noites tardias, boas gorjetas e as 118 mil instalações licenciadas na cidade.

Apesar do clima político atual, a indústria da hospitalidade tem sido um comércio que nos oferece o luxo de viajar, mas o que acontece com a realocação? Dos vistos ao vocabulário, metrôs ao serviço; falamos com bartenders, proprietários, consultores, um advogado de imigração e um corretor de imóveis para compilar o guia que gostaria de ter tido quando atravessei o oceano.

Se você está perseguindo ter seu nome em um crachá de palestrante no Tales, roubando inteligência para sua cidade natal ou tentando derrubar a oposição, a mudança para Nova York requer uma coisa: preparação. Os dentes são mais brancos, mais brilhantes e mais retos, há açúcar no pão e a maioria de seus maneirismos será tratado com desdém. As pessoas vão abordá-lo na rua (apenas para dizer olá) e enquanto eles vão rir de seu sotaque, você pode encontrar-se adotando uma gíria americana apenas para evitar a atenção. Garnishes não são realmente uma coisa, eles não usam o o sistema métrico, o leite dura para sempre (estranho) e há ar condicionado no metrô. Você está nos EUA.

Gary Regan "descobriu a América", já que ele mudou-se para cá em 1973. "Eu estava pretendendo passar dois anos bartending na Big Apple, antes de voltar para a ensolarada Lancashire para começar um "trabalho real" de algum tipo ", ele explica. "Novaiorquinos me disseram que, se você durar dois anos, você nunca irá embora. Quatro décadas e quatro anos mais tarde, ainda estou aqui." Ele também ganhou três Spirited Awards e tem livros publicados em mais de 15 países. "Se você se mudar para New York fuckin 'City há uma chance de que você nunca poderá viver em outro lugar para o resto de sua vida." Voce foi avisado.

Tom Walker, ex-The American Bar no Savoy em Londres, chegou a NY pouco depois de sua vitória no Bacardi Legacy, para se juntar a equipe do Attaboy antes de se mudar para o Fresh Kills. "Há uma grande chance de que aqueles com quem você trabalha (ou para quem) não se preocupe com suas experiências passadas de trabalho. Você está começando do zero".

Jack McGarry, co-fundador do The Dead Rabbit, concorda: "se você vem esperando que as coisas caiam no seu colo, por causa de um trabalho que você teve na Europa, você vai ficar desapontado. Nova York não dá a mínima sobre a sua história, preocupa-se apenas com o hoje e amanhã"

A mudança de Jack para a América foi uma experiência tumultuada. "Os primeiros dois anos aqui foram os mais difíceis da minha vida. Há uma dificuldade com a integração à cidade de Nova York, tornando-se um pequeno peixe na maior das lagoas. Algumas pessoas esperam que seja o mesmo que Londres, mas é um monstro. Se você não está mentalmente preparado, ele vai te comer e cuspir você." Jack e seu parceiro Sean Muldoon encarnam o sonho americano, tendo chegado com uma idéia e pouco mais. Com o título de Melhor Bar do Mundo, um livro premiado e um segundo bar, o BlackTail, o que os separa? "Nós viemos aqui com um objetivo claro em mente. Se você tem uma visão clara do que quer e está preparado para cavar e fazer isso acontecer, você terá sucesso.Pode levar alguns meses ou alguns anos, mas a persistência e a disciplina sempre serão recompensadas aqui.", diz Jack.

Nathan O'Neill mudou-se do 69 Colebrooke Row para o NoMad Bar em 2015, onde atualmente serve como Head Bartender. "Em Nova York, drinks como Manhattan e Martini são proporcionalmente maiores, geralmente em torno de 3oz menos a diluição, em comparação com a média do Reino Unido de 70ml menos a diluição". E, embora os americanos sejam conhecidos por bebidas doces, eles também têm uma propensão para os clássicos. Jack McGarry explica: "Os EUA são um país relativamente novo e eles gostam de celebrar sua cultura. Eles cresceram com essas bebidas na literatura, nas telas e na música". Nathan diz que "a percepção do gosto é diferente, em todos os lugares onde você vai no mundo, cada cultura é diferente. Eu digo que Nova York abriu meus olhos para tantas novas maneiras não só para criar coquetéis, mas equilibrá-los também".

Graças à cultura de gorjetas nos EUA, você pode fazer boas economias. Enquanto o dinheiro é melhor e as semanas são mais curtas, as horas são mais longas e suas despesas podem ser mais elevadas. De acordo com relatório de custo de vida da The Economist, Nova York é a nona cidade mais cara do mundo, com Londres em 24º (nota do tradutor: o estudo não inclui América do Sul). Enquanto uma gorjeta de 20% é habitual em bares de ponta, ela não é garantida. Tom explica: "Se por qualquer motivo você receber uma gorjeta de merda (ou você não receber, dureza, mas você tem queengolir calado. Gorjeta não é um direito ou um privilégio. O bom serviço é absolutamente incondicional aqui. E atrair os regulares é uma forma de arte nesta cidade, não considere isso como um direito adquirido. "Tudo em Nova York é uma mercadoria, incluindo seu bem-estar. Cuidados com a saúde é caro e deve ser considerado em seu orçamento - evasão dá uma multa de US$ 600. Melhor começar a praticar serviço com um sorriso.

Os custos de habitação em NY são significativamente altos. Jimmi Circosta é um corretor no Citi Habitats e especializado em relocação internacional. "Antes de aplicar para viver em qualquer lugar, você precisa de uma conta bancária e uma carta do seu empregador. Você deve pagar uma taxa de processamento não-reembolsável após a aplicação, que pode ser qualquer coisa de $0 a $250, dependendo do senhorio." Jimmi explica que enquanto os casos podem variar, o processo básico de locação requer "um mês de segurança, um mês de aluguel e uma taxa de corretor de 15% do aluguel anual, a ser pago ao assinar o contrato". Resumindo: se o aluguel for de US$1.400 por mês, você terá que pagar US$5.500 antes de se mudar.

Jimmi aconselha que "ao procurar uma propriedade, o senhorio vai esperar que você ganhe 40x o aluguel mensal. Se você nunca teve uma conta bancária nos EUA e não têm crédito dos EUA, você pode precisar de um fiador, que deve ganhar 80x o aluguel anual." A época do ano também pode afetar o que está no mercado; "novembro a março é o nosso período de calma e abril é quando começa a ficar movimentado novamente", explica Jimmi. E enquanto o Brooklyn está se tornando cada vez mais desejável, "os mais cobiçados CEPs pertencem ao West Village, Soho e TriBeCa". Considere o metrô ao se mover; vivendo na mesma linha do trabalho vai economizar um tempo de viagem valioso e dar-lhe mais tempo de descanso.

Eis abaixo as opções de visto disponíveis para profissionais de hospitalidade, descrevendo o que é necessário, tempo de obtenção realista e quanto vai custar. Considere esta uma consultoria gratuita.

J-1 Visa

O visto J-1 é um programa de intercâmbio cultural entre os Estados Unidos e países estrangeiros para trazer estagiários para os Estados Unidos. Existem dois tipos de vistos J-1. A primeira categoria é um visto trainee J-1. Para se qualificar, o trainee deve ter pelo menos cinco anos de experiência trabalhando em seu campo, um grau de Bacharel ou um equivalente reconhecido com pelo menos um ano de experiência. Trabalhadores que vêm para os Estados Unidos com um visto de trainee J-1 podem treinar nos Estados Unidos para um hotel ou restaurante por um período de 12 meses. O visto de trainee J-1 permite que o trabalhador estrangeiro desenvolva suas habilidades, ganhe experiência e volte para seu país de origem levando essas habilidades com eles. A segunda categoria é para os estagiários, que estão no ensino pós-secundário em seu país de origem ou se formaram no prazo de um ano da obtenção do visto. Os estagiários podem vir para os Estados Unidos por um período de um ano para treinar em um hotel ou restaurante. Leva aproximadamente seis semanas para que este visto seja aprovado pelo Departamento de Estado. As taxas para o visto J-1 são aproximadamente US$3.000,00, incluindo taxas legais e do Governo.

H-1B Visa

O H-1B Visa é um visto não-imigrante que permite aos empregadores dos EUA empregar temporariamente profissionais estrangeiros em ocupações de especialidade por três anos, prorrogáveis ​​por seis anos. Para se qualificar para o visto H-1B, o profissional estrangeiro deve possuir um diploma de bacharel ou superior de uma faculdade ou universidade acreditada na ocupação/especialidade. O requisito fundamental para o H-1B é que o candidato esteja fazendo um trabalho que exige uma formação específica e ele tem esse grau. Este visto pode ser uma boa opção para aqueles com um diploma em gestão de hospitalidade ou um campo relacionado, que estão vindo para os EUA para trabalhar em um nível gerencial em hospitalidade. A janela para aplicar para vistos H-1B abre em 1 de abril de cada ano. As taxas para o H-1B são aproximadamente US$4,500.00 incluindo taxas legais e do governo.

O-1 Visa

O visto não-imigrante O-1 é para o indivíduo que possui habilidade extraordinária em seu campo de trabalho. O visto O-1 pode ser a opção perfeita para cozinheiros, bartenders, sommeliers e outras posições de frente da equipe de funcionários da casa que exigem habilidade renomada. Por exemplo, para que um chef possa se qualificar para um visto O-1, ele deve provar que é um artista culinário de distinção, que é conhecido, líder ou conhecido no campo. Para se qualificar para o O-1, os candidatos teriam de recolher provas, tais como publicações sobre o seu trabalho, bem como depoimentos de colegas na indústria confirmando sua aclamação. O visto O-1 permite que os empregadores dos EUA contratem temporariamente profissionais estrangeiros por três anos, com o potencial de renovar o visto indefinidamente. As taxas para o visto O-1 são aproximadamente US$5,500.00 incluindo taxas legais e governamentais.

E-2 Visa

O Treaty Investor (E-2) é um visto de não-imigrante para nacionais de um país com o qual os Estados Unidos mantêm um tratado de comércio e navegação, destinado aos que vêm para os Estados Unidos para realizar comércio substancial ou para desenvolver e dirigir as operações de uma empresa, ou que estão no processo de investir uma quantidade substancial de capital. O visto E-2 permite que os trabalhadores da hospitalidade viajem aos EUA para dirigir as operações de restaurantes, hotéis, bares etc. por um período de cinco anos. Isso é renovável indefinidamente. O E-2 é tipicamente usado por estrangeiros que desejam abrir e investir em um bar ou restaurante nos EUA. Os negócios de proprietários de vistos E-2 também podem obter vistos E-2 para nacionais do mesmo país que o proprietário. Os funcionários devem estar em uma posição gerencial ou especializada. As taxas para o E-2 são aproximadamente US$5.000 para o investidor inicial e aproximadamente US$1.000 para os empregados subseqüentes.

Viver em Nova York é fascinante, sedutor e, na maior parte, uma experiência mágica. Visite nas férias, mude-se para trabalhar, mas nunca espere que seja uma caminhada no Central Park.

×
  • Bem-vindo (a)
  • Receba atualizações com muita informaçãosobre bebidas, bares ecoquetéis
  • Por favor, confirme que você tem mais de 18 anos e insira seu email
  • Não obrigado, continue para o diffordsguide.com
CSS revision 9d2de37