Chega ao Brasil Monkey 47 Sloe Gin

Escrito por Redação Difford's Guide Brasil

Chega ao Brasil Monkey 47 Sloe Gin image 1

Criado na Alemanha, em 2012, este é o primeiro Sloe Gin a ser lançado no Brasil. Por ter um teor alcoólico mais baixo (29%), é ideal para ser consumido como aperitivo. O lançamento é da Brand Factory, unidade da Pernod-Ricard cujo principal objetivo é testar a viabilidade de marcas do portfólio global que ainda não estão à venda no Brasil.

(Conteúdo publicitário)

Monkey 47 Sloe Gin tem como base, claro, o gin de mesmo nome. Mas, o principal ingrediente é uma fruta chamada sloe (ou blackthorn), nativa da Europa e de sabor levemente adocicado.

Este sloe gin é totalmente artesanal, não filtrado e único em sua complexidade, inspirado pelas grandes tradições britânicas e o frescor da Floresta Negra, na Alemanha. A produção é feita em pequenos lotes e as garrafas, todas numeradas, contém a inscrição em latim "Um entre muitos".

As bagas de sloe são colhidas manualmente, após a primeira geada, e então são infusionadas no gin Monkey 47. Após 4 semanas de descanso, a mistura gera um sedimento no fundo do tanque. A bebida é então retirada e o sedimento com as frutas é prensado cuidadosamente, para extrair o líquido sem danificar as bagas. Este produto então é misturado e filtrado diversas vezes e, posteriormente, diluído para chegar na graduação de 29% alc/vol.

Monkey 47 Sloe Gin é perfeito para coquetéis refrescantes, como highball e fizzes, mas também pode ser apreciado puro.

COQUETÉIS COM MONKEY 47 SLOE GIN

Sloe Negroni

ency 53 image

30ml Monkey 47 Sloe Gin
30ml Campari
30ml Punt e Mes
Preparo: mexer todos os ingredientes com gelo e coar para copo Rocks com gelo.
Decoração: rodela de laranja
Estilo: Aperitivo

Sloe Royalle

ency 67 image

30ml Monkey 47 Sloe Gin
90ml vinho espumante
Preparo: adicione o sloe gin para taça flute e completar com o vinho espumante.
Decoração: twist de limão siciliano
Estilo: Aperitivo

Sloe & So

ency 37 image

45ml Monkey 47 Sloe Gin
120ml club soda
Preparo: montado em copo collins com gelo
Decoração: twist ou cunha de limão e ramo de hortelão
Estilo: Highball

Monkey Sloe Gin Fizz

ency 79 image

40ml Monkey 47 Sloe Gin
20ml Monkey 47 Dry Gin
20ml suco de limão siciliano
15ml xarope de açúcar
15ml clara de ovo
Preparo: fazer dry shake de todos os ingredientes. Adicione gelo e bata novamente com vigor. Coar para copo fizz glass e completar com 20ml de club soda.
Decoração: casca de laranja
Estilo: Sour/Fizz

Charlie Chaplin

ency 87 image

30ml Monkey 47 Sloe Gin
30ml Apricot Brandy
30ml suco de limão
Preparo: bater todos o ingredientes com gelo. Servir bem gelado em taça Coupette.
Decoração: rodela ou casca de limão
Estilo: Sour

Blackthorn

ency 56 image

40ml Monkey 47 Sloe Gin
20ml Monkey 47 Dry Gin
10ml vermute doce
2 Dashes de Angostura bitters
Preparo: mexer todos os ingredientes com gelo. Coar para taça coupette ou taça de coquetel
Decoração: casca de laranja
Estilo: Sour

Veja mais 41 receitas com sloe gin em nosso banco de dados.

Veja a avaliação e notas de degustação de Monkey 47 Sloe Gin por Simon Difford

A HISTÓRIA DO MONKEY 47 GIN

por Simon Difford

A história do Monkey 47 começa com o Wing Commander Montgomery ("Monty") Collins, da Royal Air Force. Ele era um daqueles britânicos tradicionais: amante de relógios, entusiasta de cricket, cidadão do mundo e independente.

O filho de diplomata nasceu em Madras, que se tornará relevante mais tarde nessa história. Por enquanto, entretanto, vamos avançar alguns anos até logo após a Segunda Guerra Mundial. Neste ponto, Collins assumiu um posto em Berlim e envolveu-se na reconstrução do Zoológico da cidade, onde começou a patrocinar um macaco chamado Max.

Em 1951, Collins deixou Berlim e mudou-se para a região norte da Floresta Negra, para tentar a sorte em relojoaria. Descobriu que não era realmente bom em fazer relógios, e, visto que não conseguia esquecer-se de Max, o macaco, abriu uma hospedaria e batizou-a em sua homenagem como "'Zum Wilden Affen" (O Macaco Selvagem). Como um verdadeiro britânico, Collins gostava de um bom copo de gin e pode ter sido isso que lhe deu uma ideia.

Na década de 60, havia um trabalho de renovação sendo feito na Zum Wilden Affen. À medida que as pessoas começavam a limpar, encontraram uma caixa de madeira no porão contendo uma garrafa empoeirada, esboços de um macaco (com um cabeçalho dizendo: "Max the Monkey") e uma carta. A garrafa estava cheia de gin da marca própria de Collins e, incrivelmente, a carta continha uma lista dos ingredientes utilizados.

Como o nome da marca sugere, há exatos 47 botânicos no gin. Collins aparentemente buscou inspiração em sua infância indiana (lembra que eu disse que Madras era relevante?) e utilizou especiarias como cardamomo, cravo-da-índia, noz-moscada, amêndoa, gengibre, canela do Ceilão, alcaçuz e Acorus calamus. Há também notas fortes no gin de combinações de laranja amarga e bálsamo de limão siciliano.

Um terço dos ingredientes são escolhidos a dedo na própria Floresta Negra, de modo que foram literalmente obtidos no próprio jardim de Collins. É por essa razão que os sabores não convencionais, tais como pontas de abeto, amoras, escarpas, sálvia e verbena são usados ​​neste gin exclusivo.

Em 2008, The Black Forest Distillers adotou a receita de Montgomery Collins e batizou o novo gin de Monkey 47, em memória a Max, o macaco, e como um aceno para o número de botânicos utilizados e o volume de álcool do gin.

A pequena garrafa de estilo medicinal/laboratorial tem um rótulo semelhante a um selo, com marcas de perfuração superior e inferior. Ele também tem uma tampa de rolha de cortiça natural, com uma faixa de aço inoxidável em torno do meio da cortiça, impedindo que a rolha caia dentro da garrafa e fique em seu lugar, como uma garrafa de vinho aberta e posteriormente fechada com uma rolha, para uso posterior.

A Pernod Ricard adquiriu participação na marca em 2016 e em março de 2020 completou a aquisição de 100% da companhia.

Além do Monkey 47 Gin e Monkey 47 Sloe Gin, a marca possui a versão Barrel Cut, envelhecido em barris provenientes de árvores de amoreira da Floresta Negra, que são produzidos à mão para a maturação e refinamento de destilados.

NÃO COMPARTILHE COM MENORES DE 18 ANOS. SE BEBER NÃO DIRIJA.