A Guerra do Pisco

  • A Guerra do Pisco image 1

Escrito por:

Às vezes descrito como uma disputa, uma queixa profunda ou até mesmo uma guerra, o desacordo entre o Peru e Chile sobre quem é dono do pisco dura gerações. O destilado de uva é produzido em ambos os países, igualmente adorado e excessivamente consumido. E cada um deles é inflexível ao dizer que é a sua bebida nacional.

A história

Para começar a entender essa luta você precisa voltar para a Guerra do Pacífico, 1879-1883, onde o Chile lutou contra a Bolívia e o Peru. Foi quando as relações começaram a amargar chilenos e peruanos. Então, em 1929 um pedaço de território peruano, Arica, tornou-se chileno, aprofundando a rivalidade. Acrescente a polêmica sobre o pisco e qualquer noção de solidariedade entre os dois países começou a desmoronar.

Por trás desta disputa está um orgulho nacional intenso e a desconfiança entre os rivais. Guillermo Toro-Lira, um historiador peruano de pisco, lembra-se de crescer no Peru e discutir com sua avó, que era chilena, de onde era o pisco.

"É muito importante para os peruanos, pisco é parte de nossa história desde sempre e os peruanos são pessoas muito orgulhosas. As pessoas estão realmente com raiva do Chile, por usar o mesmo nome para o destilado deles. O problema não é quem fez o primeiro destilado de uva ou que um é melhor ou quem faz mais. A questão é que o Chile usou o mesmo nome. "

Charles de Bournet, criador do pisco chileno Kappa, defende uma postura semelhante, a favor do Chile. "É definitivamente importante para o nosso orgulho nacional, o consumo de pisco no Chile é tremendo. Bebe-se muito pisco, não é algo de uma certa classe social, pois das pessoas mais humildes aos mais ricos, todos bebem e desfrutam do pisco. Realmente é parte de nossa cultura no Chile e estamos definitivamente muito orgulhosos de ter o pisco.O vinho e o pisco são nossas bebidas favoritas".

O Peru acredita que seu pisco surgiu no século XVI, quando os colonos espanhóis estavam desenvolvendo a vinificação no país. Este argumento afirma que o pisco chileno não surgiu até depois da Guerra do Pacífico, tornando assim a reivindicação do Peru legítima e vencedora. No entanto, quando pisco surgiu pela primeira vez, não havia Peru e nem Chile, pois países estavam unidos sob o vice-reinado do Peru. Os chilenos afirmam que o país era um só quando o pisco foi criado e, portanto, ambos tem legitimidade.

"É óbvio que não concordamos, pois temos razões históricas legítimas para compartilhar o nome. Lembre-se que era um único país, o vice-reinado do Peru, uma província da Espanha ", diz Charles.

Argumentando contra isto pelo lado dos peruanos, Guillermo diz: "São dois países diferentes, duas culturas diferentes, dois climas diferentes, dois povos diferentes, duas histórias diferentes, como você pode dizer isso? É o único argumento dos chilenos. Dizem, porque o Chile fazia parte da área administrativa, que era o mesmo país, mas era um reino separado, não fazia parte do Peru."

A diferença

Curiosamente, nenhum dos dois lados disputa a vasta diferença entre seus produtos, já que cada um é produzido da sua própria maneira e, na degustação, se não são mundos totalmente separados, também não são totalmente iguais.

"São produtos diferentes", diz Guillermo. "Um é feito com teor alcoólico comprovado, o outro não. Um tem que ter 40% de álcool por volume, o outro não."

No Peru, em Quebranta o líquido de uvas não-aromáticas é fermentado até que vire um vinho jovem. Este almíscar fermentado é então destilado, com "cabeças" e as "caudas" descartadas. O pisco peruano deve ser destilado no mínimo com 40%alc./vol. ou mais. Esta é a principal diferença entre os dois produtos.

O pisco chileno é feito fermentando uvas Muscat aromáticas, até que se tornem vinho legítimo. É então destilada e a prova reduzida com água, para baixá-la para 40% alc/vol. Ao contrário do pisco peruano, a versão chilena pode madurar em madeira: se tem descansou durante 180 dias, é conhecido como "Guarda", enquanto o produto de 360 ​​dias é chamado de "Envejecido".

"Os dois são produtos completamente diferentes, embora compartilhando o mesmo nome por razões históricas. Eles são tão diferentes como Armagnac e Cognac, ainda mais até eu diria. Você pode preferir um ou outro, mas compará-los não faz sentido", diz Charles.

O segundo argumento é no lado da fabricação. Tanto no Peru como nos Estados Unidos, o pisco dever ter no mínimo 40% alc./vol., enquanto no Chile, pode chegar a 30% e apenas as versões premium chegam a 40% ou mais. "Dura lex, sed lex", comenta Charles ("a lei é dura, mas é a lei").

As coisas começam a se tornar bastante confusas neste momento. Tecnicamente, o Chile produz 50 milhões de litros de pisco, em comparação com os 1,5 milhões de litros do Peru. Mas isso só é verdade se você estiver julgando conforme as leis de produção do Chile: cerca de 80% do pisco chileno não se classifica como pisco no Peru ou nos Estados Unidos.

Legalmente, o pisco peruano não pode ser vendido no Chile, por isso é comercializado lá sob o nome de Aguardiente de Uva. Olho por olho, dente por dente: o Chile proibiu as vendas de pisco peruano em 1961 e o Peru então fez o mesmo, cerca de 30 anos depois.

Considerando que o Peru não reconhece 80 por cento do pisco do Chile, o Chile reconhece todo o pisco peruano, mesmo você não podendo chamá-lo como tal no país.

Charles acredita que a diferença tem seu lado positivo.

"Realmente agrega valor aos bartenders, pois eles podem escolher entre um amplo espectro de produtos. A história é importante, mas você tem que olhar para frente e não para trás."

Reconciliação?

Sugeriu-se que ambos os países poderiam se unir - pelo menos em torno do pisco - e fazer campanha juntos, finalmente aceitando que terão que compartilhar o nome. Mas a ideia não foi bem recebida, diz Guillermo.

"Talvez o Chile recue e diga "ok, vamos fazer isso juntos", mas eu não acho que o Peru vai, pois isto está profundamente enraizado na história e no orgulho de ambos os países".

A Organização Mundial da Propriedade Intelectual reconheceu a validade da fabricação de pisco pelo Chile. Posteriormente, o governo chileno ofereceu ao Peru um ramo de oliveira, dizendo que eles poderiam se unir e compartilhar o nome, diz Charles.

"A posição chilena é ir além dessas questões, deixá-las no passado e trabalhar lado a lado com o Peru para promover a categoria como um todo. Na verdade, como os dois estilos são muito diferentes, cria uma gama completa de possibilidades para os bartenders e, portanto, para a apreciação de coquetéis. Quanto mais variedade, melhor. "

Há alguns anos, quando a então ministra peruana do Comércio Exterior e do Turismo, Mercedes Aráoz, apoiou estas ideias, ela foi forçada a retirar seus comentários.

"Eu sou uma grande defensora do pisco, o Pisco é genuinamente peruano, não é nosso objetivo abrir mão do nome".

O último fator que pode ajudar a lançar alguma luz sobre a guerra do pisco é os Estados Unidos. Em 2010, as vendas de pisco peruano e chileno aumentaram 101% e não param de crescer desde então. Os coquetéis clássicos Pisco Sour e Pisco Punch são adorados por lá, particularmente na costa oeste. Com este tipo de mercado de crescimento, não é de admirar que ambos os países estão reivindicando o pisco como seu.

×
  • Bem-vindo (a)
  • Receba atualizações com muita informaçãosobre bebidas, bares ecoquetéis
  • Por favor, confirme que você tem mais de 18 anos e insira seu email
  • Não obrigado, continue para o diffordsguide.com
CSS revision 66013d6