gaz regan

Escrito por Ian Cameron e Simon Difford (introdução)

Primeiro nome: Gary
Sobrenome: Regan
Idade: 68
Falecimento: 2019
Natural de: Blackpool

Infelizmente, Gary morreu, aos 68 anos, em 15 de novembro de 2019. A morte é inevitável, mas chega mais cedo para alguns. Infelizmente, eles parecem ser as pessoas mais talentosas, divertidas, um pouco mais envolventes e que vivem adequadamente a vida. Gary “gaz” Regan era tudo isso, mas ele era principalmente um homem incrivelmente caloroso e carinhoso, que exalava empatia.

A honestidade e a compaixão de Gary (embora ele preferia ser chamado de gaz) brilham no artigo abaixo, brilhantemente escrito por Ian Cameron em 2011. Diz muito sobre o homem e sua jornada de Blackpool a Nova York e mais além. E que homem verdadeiramente hospitaleiro ele era. Tal era o respeito de gaz por Ian, um jovem escritor à época, que, quando ele recebeu o prêmio de Best Writer, no Tales of the Cocktail alguns anos depois, ele chamou Ian para o palco e lhe entregou o prêmio que ele acabara de ganhar. Isto era gaz

Tenho a sorte de poder ter chamado gaz de amigo, com o qual eu pude aprender e admirar. E isso vai continuar para sempre. Cheers, gaz.

Apresentamos o mundo de gaz regan. Esta é a história de como um garoto de uma cidade do norte da Inglaterra atravessou o Atlântico e se tornou um ícone do mundo moderno dos bares, ajudando a liderar o renascimento da coquetelaria artesanal e, por isso, foi coroado com o prêmio Tales of the Cocktail Lifetime Achievement. No que alguns dirão ser uma entrevista controversa, ele fala abertamente sobre sua luta com a bebida - o elefante na sala da indústria - e sobre seu câncer. E ele revela as respostas para todas as perguntas que você queria fazer: para onde foram as letras maiúsculas em seu nome? Por que o delineador? E que porra é essa?

"Você já viu o pub em Shameless?pergunta gaz regan, quando mencionamos sobre sua infância, crescendo acima do pub de seus pais. Ele está se referindo ao The Jockey, o pub em uma propriedade de Manchester, administrada por uma família de trapaceiros, freqüentado por uma mistura de personagens maiores do que a vida, encharcados de bebidas alcoólicas e que desempenha um papel fundamental nas histórias do programa. "Bem, Shameless não é drama", diz gaz, é praticamente um documentário de sua infância.

"O pub dos meus pais era barra pesada, em uma grande propriedade municipal em Blackpool. Típico da classe trabalhadora. Ninguém tinha dinheiro suficiente, mas eu aprendi muito com eles. Seus valores eram muito sólidos, eles se apoiavam. Meu pai era um pilar da comunidade. Ele emprestava dinheiro e recebia ligações às 2 da manhã de clientes dizendo: "Acho que nosso Eric morreu. O que devo fazer?" E ele ligava para a ambulância. Havia um pouco de ilícitos, mas raramente brigas - eles tinham muito respeito pelo meu pai.

Danny Boy

"Meu cliente favorito era um cara chamado Volsh, o cara mais barra pesada da cidade. Ele não aparecia com frequência, mas, quando o fazia, pedia um pint de cerveja e todo mundo ficava apenas olhando a ele, por medo do que poderia acontecer. Mas, algumas vezes por ano, em uma noite em que meu pai contratava um pianista, baterista e compositor, todos costumavam dançar e cantar. Volsh subia e cantava a versão mais emocionante de Danny Boy que já ouvi, terminava a cerveja e ia embora. Era o único lugar em que ele podia relaxar sem espancar alguém e, porque mostrava respeito, era deixado em paz."

Se passar seus anos de formação em um pub lhe ensinou valores sólidos, familiares e senso de comunidade, não é de surpreender que isso também despertou um amor pelo álcool. Ele teve seu primeiro contato com bebida quando tinha apenas 12 anos de idade, quando seus pais fizeram uma festa no sábado à noite e alguém fez a ele um Gimlet. "Isso me fez sentir muito bem e lembro de pensar comigo mesmo: 'Devo lembrar disso.'" Também não é surpresa que dois anos depois gaz estivesse trabalhando atrás do balcão nas noites de sexta e sábado e, aos 15 anos , abandonou o ensino médio para trabalhar no pub em período integral.

Mas, após o rompimento de um casamento precoce, gaz poderia ter ficado no noroeste da Inglaterra e ainda estar atrás do balcão do mesmo bar até hoje. Mas, aos 19 anos, ele queria se afastar o máximo possível de sua ex-esposa, de Blackpool, de tudo. Ou como ele diz: "Eu surtei". E zarpou para os EUA.

Era o começo dos anos 70. gaz conseguiu um emprego em um bar irlandês em Manhattan, no Upper East Side. Chamava-se Drake's Drum e ele se lembra como se fosse ontem : um mundo de músicas obscenas de rugby, onde expatriados de todas as nacionalidades se encontravam: fãs de esportes ingleses, irlandeses, australianos e zeozelandeses amavam e curtiam juntos. A que distância estava a cena dos bares de Nova York do que é hoje? Um longo caminho. Mas, mesmo no Drake's Drum, eles tinham sua própria cultura de coquetéis, longe da verdadeira cerveja servida na Inglaterra. "Nós tínhamos nossa própria carta de coquetéis, baseada em Singapore Slings, todos realmente mal feitos; não havia sucos frescos, era tudo à base de sour mix. Mas, fazíamos belos White Russians, Black Russians, Whisky Sours, Manhattans, Martinis and Rob Roys. Para clientes especiais - basicamente outros bartenders - usávamos suco de limão fresco".

America - Fuck Yeah

Ficou claro rapidamente que os Estados Unidos er seu futuro. Blackpool parecia cada vez mais distante, especialmente quando ele recebeu um Green Card.
"Os bares ficavam abertos até as quatro horas da manhã e, depois, saíamos e transávamos muito", diz gaz.

Ele diz que aprendeu a maior parte do que sabe sobre bebidas e serviços de um ex-bebedor de Blackpool, que agora operava bares em Nova York. "David Ridings morreu em 2000, mas ele foi realmente meu maior mentor. Quando cheguei a Nova York, não sabia como fazer um coquetel. Ele me disse para sentar na área de serviço, ouvir a equipe de garçons gritando e observar o bartender. Eu era jovem e tinha uma ótima memória. Dave era rigoroso em como cumprimentar os clientes.

Uma série de "empregos horríveis" no final dos anos 70 e início dos anos 80, como bartender aqui, gerente de um restaurante de loja de departamentos ali, antes de conseguir uma posição como gerente de um pub inglês no South Street Sea Port, chamado North Star Pub. "Eu fiquei lá quatro anos, provavelmente meu período favorito na indústria. Era um pub inglês autêntico, não americano, atendendo a clientes ingleses e corretores de Wall Street, servindo delícias inglesas como purê ervilhas."

Ele ajudou a abrir alguns bares ao longo do caminho, alguns mais bem-sucedidos do que outros, que fecharam em questão de meses, da maneira típica da indústria de bares (algo que parece ter sido sempre assim).

Ao longo da década anterior, ele começou a se entregar a uma paixão secreta, de uma maneira que mudaria sua vida. Foi um amor por escrever. No início dos anos 90, ele recebeu uma coluna em uma publicação bem respeitada, chamada Food Arts. Ali ele escrevia sobre drink.

gaz tinha jeito com as palavras. Ele conseguiu muito mais trabalhos para Wine Enthusiast, Nation's Restaurant News, Cheers e Malt Advocate , entre outros. Ele não aceitou mais trabalhos de bartender, mas, é claro que sua escrita foi fundada em mais de duas décadas de experiência de balcão. Ele publicou Bartender's Bible em 1991. Em seguida, seu mais conhecido trabalho de escritor, como The Cocktailian, no San Francisco Chronicle, veio em 2003. "Em um momento eu estava escrevendo para o Chronicle e quatro outras revistas e tudo se tornou demais. Em 2007, eu deixei as outras revistas mas mantive o Chronicle, que foi onde fiz meus melhores trabalhos"

Meu câncer

Com isso, depois de duas décadas em Manhattan, mudou-se para o norte do vale do Hudson, criando seu curso de bartender de dois dias Cocktails in the Country - um fórum para promover uma abordagem cada vez mais zen da profissão, que se manifestou mais recentemente em Annual Manual. "É a oportunidade de influenciar as pessoas de uma maneira esperançosa. Ser Bartender não tem nada a ver com fazer coquetéis. Tento ajudá-los a entender que a parte principal do trabalho é fazer clientes felizes. É isso que me move mais do que qualquer coisa".

De onde veio esse gaz da New Age? "Eu chamo isso de mindful bartender e começou não muito tempo atrás, em 2003, depois de ter câncer na língua. Tive um despertar espiritual adequado - antes disso eu era agnóstico. Meu câncer me deu um tapa na cara. Pensei que alguém estivesse tentando chamar minha atenção e comecei a procurar por que isso estava acontecendo."

O câncer foi responsável por uma das agora notórias mudanças de aparência de gaz. Olhe para qualquer garrafa de Regan's Orange Bitters e você o verá ostentando uma barba bastante grande. A radioterapia mudou isso. "Eu me considero um contador de histórias e minha barba era minha identidade: o câncer atacou minha língua; e a radiação levou minha barba. Com essas duas coisas, pensei: 'Merda, algo está acontecendo aqui'."

"Um amigo me convenceu a procurar um curandeiro e eu pensei o que tenho a perder? Ele me contou uma longa história sobre como ele encontrou Deus e como ele havia sido escolhido para ser um canal para o amor. E então, ele disse que colocaria as mãos nos meus ombros e que eu sentiria uma brisa. Eu disse OK, fechei os olhos e a próxima coisa que lembro foi estar deitado no chão chorando como um bebê. Ele não curou meu câncer, mas depois disso eu nunca tive medo e sabia que tudo acabaria bem. Normalmente você ouve essas histórias que aconteceram com a tia de alguém na Austrália. Mas aconteceu comigo e eu senti."

Seu câncer foi tratado com sucesso e, embora tenha ficado marcado e diferente, gaz se recusou a deixar suas dificuldades de fala atrapalharem. "Pensei comigo mesmo: nunca pretendo fingir que isso não aconteceu, não me escondo atrás disso, mas continue como se não estivesse lá. Embora minha fala não seja perfeita, não é um impedimento. Pretendo não ter câncer. novamente e viver até os 100 anos."

Eu era um alcoólatra

Você pode pensar que esse período é o que o gaz descreveria como seu ponto mais baixo.

Pelo contrário: ele encontrou uma força motivadora para o bem. Mas é aqui que gaz se torna surpreendentemente sincero e fala abertamente sobre uma faceta pouco discutida do mundo das bebidas. "Qual foi o ponto baixo? Não o câncer. Foi quando eu estava completamente bêbado. Foi no início dos anos 80. Fiquei tão bêbado por alguns anos e estava em uma situação horrível. Era o tipo de bêbado que coloca vodka no seu café da manhã. E se eu não tomasse álcool, tremia como uma folha. Isso foi embaraçoso, foi aterrorizante e eu sabia que tinha que fazer alguma coisa."

Ele parou - de certa forma. Qualquer um que conheça um pouco gaz sabe que ainda gosta de beber - estamos bebendo Negronis durante esta entrevista. Ele parou de beber de manhã, parou de colocar vodka no café e aplicou regras rígidas em torno de seu próprio consumo. Isso sem dúvida será um ponto de discórdia entre alcoólatras e alcoólatras em recuperação, que dizem que uma vez alcoólatra sempre alcoólatra. Mas gaz diz que ele foi capaz de mudar seu comportamento e não apenas continuar bebendo, mas continuar a ganhar uma vida decente, como escritor de artigos, autor de livros e seu papel como mentor de jovens do mundo do bar.

"Alcoólatras e alcoólatras em recuperação nunca concordarão com isso, mas o fardo foi retirado. Eu ainda bebo muito, mas não bebo de manhã e agora não preciso mais beber. Faço isso em momentos oportunos."

No entanto, pouco se fala sobre o vício em álcool na comunidade de bartenders, mesmo que provavelmente conheçamos alguém que lutou, alguém que bebe demais, alguém com reputação de alcoólatra. Ele não está correndo um risco grande ao falar sobre isso tão abertamente, dado que é figura pública e as empresas de bebidas lhe pagam somas "enormes" de dinheiro para trabalhar para elas? Ele não está preocupado que a fonte seque? Ele realmente deveria estar aplicando tinta rosa brilhante naquele elefante na sala?

"Esse período na minha vida já acabou há muitos anos, mas abordara abertamente este assunto é uma maneira de iniciar uma conversa que precisa acontecer na comunidade de bartenders, então vou me arriscar", ele diz.

"Acho que é muito difícil encontrar uma maneira de falar sobre isso e certamente as empresas de bebidas lutam com isso, a melhor coisa que podem fazer é promover a moderação. Mas isso não quer dizer que o problema não deva seja reconhecido. Bartenders sempre beberam muito e é importante falar sobre isso. Quero ser lembrado por ter feito a coisa certa.""

Tenho 60 anos e sigo em frente

Ele acha que sua batalha passada com a bebida contribuiu para o câncer na língua? "Não, acho que isso estava mais relacionado ao fumo. Acho que foi Deus me dando um tapa, dizendo-me algo que precisava mudar." Ele lista a bebida como seu único vício, então ele está claramente consciente de como o álcool tem o poder de corromper e destruir. "É o único mau hábito que vou revelar, pelo menos."

Ele se arrepende, especialmente sobre o alcoolismo? "Nem por um segundo. Tudo o que fiz na minha vida até agora me levou a ser uma das pessoas mais felizes que você conhece. Hoje me sinto fabuloso. Sou a pessoa mais feliz que você conhece. Tenho muita sorte. Fiz 60 anos em setembro passado e muita gente tem vergonha da idade. Eu não!".

De fato, com 60 anos ou não, gaz continua a se reinventar. Há alguns anos, Gary Regan tornou-se gaz regan (e ele é precioso sobre essas letras minúsculas) e, no ano passado, começou a usar delineador em um de seus olhos. A primeira vez que vi gaz com essa maquiagem não sabia o que dizer. Fiquei perguntando se alguém havia feito uma piada com ele, se isso foi deliberadamente projetado para confundir. No final, fingi que não estava lá. "Ah, agora eu tento deixar as pessoas à vontade e dizer que é minha mais recente 'afetação'", diz gaz. "Sim, é uma espécie de Laranja Mecânica, embora não totalmente, pois você também teria que fazer cílios postiços. Delineador de olhos é muito mais fácil. Eu gosto, é divertido, é claro que é uma coisa de ego, com certeza é 'olhe para mim', mas isso me ajuda a me sentir atual. É tudo um jogo".

Sem dúvida, os antigos frequentadores do pub de Blackpool teriam algo a dizer sobre esse cara de delineador, sem letras maiúsculas em seu nome. Ele ri. "Eles estaria balançando a cabeça dizendo what the fuck happened to him?""

Entrevista concedida a Ian Cameron em 2011
Texto atualizado em 17/11/2019