Lugar de mulher é atrás do balcão. E onde ela quiser.

Escrito por Ricardo Pieralini

Lugar de mulher é atrás do balcão. E onde ela quiser. image 1

Há nem tanto tempo assim, era quase inimaginável uma mulher construir sua carreira – e brilhar – fazendo coquetéis atrás do balcão. Felizmente algumas coisas mudam.

A vida em bares nos anos 80 era dura para as poucas brasileiras que se arriscavam na coquetelaria. Era o caso da bartender Sandra Mendes, referência para a geração feminina atual. “Tinha grande resistência. Mulher que trabalhava à noite não tinha o mesmo respeito”, lembra a profissional radicada no Rio de Janeiro.

O mundo mudou deu muitas voltas – e avançou – desde então. E os frequentadores dos balcões passaram a ver, cada vez com mais frequência, mãos femininas preparando drinks com maestria. Algumas bartenders voaram alto e se tornaram expoentes da coquetelaria brasileira.

É o caso de Talita Simões, que fez seu colchão de aprendizado em bares e restaurantes de Londres. De volta ao seu país, estudos e muito trabalho. Foi chefe de bar do hotel Unique no início dos anos 2000, sócia de casas como a At Nine. Formulou a primeira carta brasileira de martinis em 2004 no Gabriel, que ficava nos Jardins, em São Paulo.
Naquela época, desenvolvia um trabalho fora do padrão em hospitalidade. Deixava o balcão e circulava entre as mesas indicando drinks e explicando todas as nuances para a clientela. Era uma sommelier de coquetéis. Chamava a atenção pelo atendimento e pelo conhecimento.

Mais recentemente, aprimorou a relação entre drinks e gastronomia (harmonizações ainda são raras por aqui) ao assumir o balcão do Side, no Itaim Bibi. Atualmente, além de consultorias, toca o Biri Nait, bar em Pinheiros.

ency 70 image

Talita Simões

Uma nova geração

Talita foi a porta de entrada na profissão, diretamente ou por inspiração, para várias meninas. Como a paulista Jessica Sanchez, ex-estudante de História que resolveu trocar um futuro acadêmico pela arte das misturas. “Não gostei do curso e acabei trabalhando como garçonete. Depois virei sommelier e, após um treinamento de bar, investi na carreira”, conta.

A vida no bar começou em eventos. “Era legal ter menina no balcão, mas na balada. Puramente estético. Tinha restaurante que não me aceitava por eu ser mulher. Diziam que o trabalho era pesado.” Pior: no início, mesmo nas festas, Jessica era impedida de fazer drinks. A função feminina era lavar a louça. “Desenvolvi uma técnica para lavar tudo muito rápido. Então sobrava tempo e eu arriscava um coquetel.”

O primeiro emprego que a deixou empolgada foi no paulistano The Sailor. Após uma entrevista, Jessica foi contratada justamente por Talita Simões, que fazia a consultoria do lugar.

O mundo então se abriu para Jessica, que resolveu expandir suas fronteiras. Fez as malas e rumou para a Europa com um objetivo bastante claro: desenvolver sua técnica e conhecer o maior número possível de bares. Foram oito meses de jornada e 71 estabelecimentos visitados.

“Minha ideia ao voltar para abrir uma escola de coquetelaria e um bar. Algo muito bem planejado para entrar na lista dos 50 melhores do mundo”, conta.

ency 90 image

Jessica Sanchez

O plano, misto de audácia e confiança, foi temporariamente abortado após um convite para cuidar das cartas dos bares e restaurantes do Copacabana Palace, no Rio. Ganhou experiência e notoriedade. E viu o machismo arrefecer. “Isso é cultural. Temos uma sociedade patriarcal. Não vejo como um machismo premeditado”, avalia.

Após quase dois anos de Copacabana Palace, Jessica decidiu voar novamente: presta consultoria para uma série de restaurantes e lançou seu Vizinho Gastrobar, na Barra da Tijuca. Segue com a ideia de entrar para a lista dos 50 melhores bares. E criou uma nova visão para a relação homem-mulher na coquetelaria.
“Hoje pouca gente estranha quando me vê no balcão”, diz. “Quer saber o que me incomoda? Ainda existe quem quer me contratar só pelo fato de eu ser mulher. Por marketing”, diz.

Conhecimento e esforço

Adriana Pino (na foto no alto da página), é outra mulher que vem rompendo com o cinturão masculino nos balcões. “Já me contrataram pela aparência. Sei que ainda rola isso com algumas meninas. Hoje passaram a me conhecer pelo conhecimento e pelo esforço”, resume a bartender que acumula 13 anos de experiência.

No início eram festas e eventos noturnos. Como Jessica Sanchez, teve um momento como garçonete – no caso de Adriana no hotel Unique, em São Paulo. “Fiz curso de coquetelaria e consegui ir para o bar do hotel. Mas ficava no almoço. Saíam muitos sucos e às vezes umas caipirinhas”, lembra.

Continuou estudando e acabou contratada para trabalhar no bar do mítico restaurante La Brasserie, do chef francês Erick Jacquin. “Aprendi muito lá. Fazia muitos clássicos. E, tão importante quanto, melhorei meu paladar. Passei a comer direito e a conhecer ingredientes.”

Posteriormente, atuou em bares e restaurante até assumir, em 2016, o MéZ. “Lá pude programar tudo. De criar o cardápio a comprar as taças. Acho que a coquetelaria deve ser honesta, e isso não precisa necessariamente estar em altos preços. Agora é hora de olhar pra frente.”, diz ela que atualmente presta consultoria a diversos estabelecimentos, como o Brown Sugar, Duke e Caramel.

Agora, imagine a cena: um boteco no Centro de São Paulo com apenas uma menina. Sem ajuda. Fazendo tudo. O caso aqui não é exatamente de coquetelaria, mas foi a cena inspiradora para a carioca Alice Guedes começar na profissão. “Fiquei muito, mas muito tempo olhando a menina trabalhar. Quando voltei para o Rio fiz um curso e não parei mais”, diz.

ency 57 image

Alice Guedes

Não parou mesmo. A moça, que tem no teatro outra de suas paixões, tem carreira meteórica. Passou, entre outras casas, por Meza Bar e Brigite’s Bistrô antes de, no ano passado, aceitar um convite tentador e trocar as terras cariocas pelas argentinas. Foi para trás do balcão do Florería Atlántico, em Buenos Aires e um dos 50 melhores bares do mundo. “Mudei de país para realizar um sonho. A verdade é que vou por aí, onde a coquetelaria me levar”, resume Alice. Agora, Alice está de volta ao Brasil e encara um novo desafio, na equipe de Jean Ponce, no Guarita Bar (SP).

No fundo, Alice não sabe - ou sabe? -, mas a coisa é bem ao contrário. É ela (e Sandra e Talita e Jessica e Adriana e tantas outras) quem leva a coquetelaria consigo, por aí. Ou, como resume Sandra Mendes, irretocável: “mulher persiste e bate o pé. Estamos avançando.”

Está provado que lugar de mulher é onde ela quiser estar – mas, com todo esse talento, se for no bar, atrás do balcão, todos os fãs de bons coquetéis agradecem.

ency 13 image

Sandra Mendes

Join the Discussion


... comment(s) for Lugar de mulher é atrás do balcão. E onde ela quiser.

You must log in to your account to make a comment.

Report comment