Plymouth e Dry Martini: mais de 150 anos de história

  • Plymouth e Dry Martini: mais de 150 anos de história image 1

Escrito por:
Photography by: @feltranfotografia

É possível contar a história da coquetelaria através dos coquetéis com gin. Mas, uma marca e um coquetel em especial são, sem dúvida, os mais emblemáticos dessa longa jornada: o gin Plymouth e o Dry Martini.

Coquetéis clássicos como Gimlet e Pink Gin foram criados ainda no século XIX, a bordo de navios da marinha inglesa. O fornecedor oficial de gin da frota de Sua Majestade era a destilaria Black Friars, da cidade de Plymouth, um importante porto naval. Ali, é fabricado há mais de 150 anos o gin Plymouth, que leva apenas 7 botânicos: zimbro, coentro, casca de limão, casca de laranja doce, angélica doce, raiz de óris e cardamomo.

Em seu histórico livro de 1930, The Savoy Cocktail Book, o lendário bartender Harry Craddock lista 34 coquetéis com gin Plymouth, entre eles o Bijou, até hoje extremamente popular em bares de coquetelaria. Plymouth só perde em menções para Bacardi. Outros bartenders históricos famosos, como Harry Johnson e Harry McElhone, também usam Plymouth em seus coquetéis com gin.

Mas, sem dúvida, o coquetel mais popular de todos os tempos é o Martini, que nasceu doce e ficou mais seco com o passar dos anos, até chegar no emblemático Dry Martini.

HISTÓRIA DO DRY MARTINI

Segundo Simon Difford, “como em muitos casos, ninguém realmente sabe qual a origem do Martini, mas a teoria mais aceita é a que ele evoluiu do Martinez, que por sua vez evoluiu do Manhattan. A linhagem é complicada pelas inúmeras variações e reencarnações entre 1882 a 1910, que deram origem a uma família de drinks relacionados, como Marguerite, Martine, Martigny, Martina, Martineau, Olivette, Crisp Cocktail e Bradford a la Martini”.

ency 84 image

Marguerite Cocktail com Plymouth, Harry Johnson's Bartender Manual (1900)

Com o passar dos anos, o coquetel Martini começou a ficar mais seco, graças ao aumento da proporção entre gin e vermute seco.

De acordo com Garry “gaz” Reagan - bartender, criador do popular bitter de laranja que leva seu nome, historiador de coquetéis e autor do livro The Joy of Mixology - em 1904, a Martini&Rossi estava anunciando pesadamente seu recém lançado vermute seco em um coquetel Dry Martini.

ency 46 image

Crisp Cocktail com Plymouth, Applegreen’s Bar Book (1904), que nada mais é que um Dry Martini Fifty-Fifty

O Dry tornou-se a versão de Martini mais popular entre a maioria de bartenders e bebedores esclarecidos.

MÉTODO

“Batido, não mexido (Shaken, not stirred)” é a frase imortalizada por James Bond. Mas, duas ponderações: ele bebia seu Martini com vodka ou sua própria criação, o Vesper, que leva gin e vodka. Bond nunca bebeu um Martini com gin. O único coquetel com esse ingrediente que 007 saboreou foi um Negroni, em 007 Somente para seus Olhos, que estreou nos cinemas em 1981 e que combina elementos de dois contos escritos por Ian Fleming: um com mesmo nome do filme e outro chamado Risico.
Mas, enfim, o padrão é servir Dry Martini mexido. Batido, ele fica mais gelado, mas prejudica a aparência, por causa das bolhas, e o sabor do vermute fica mais acentuado.

PROPORÇÕES E VARIAÇÕES

O Dry Martini é um coquetel extremamente pessoal e dentro da fórmula gin e vermute seco (com ou sem bitters) são muitas as possibilidades.

1 gin Plymouth : 2 vermute seco = Reverse Martini
2 gin Plymouth: 1.5 vermute seco = Sopping Wet Martini
2 gin Plymouth: 1 vermute seco = Wet Martini
1 gin Plymouth : 1 vermute seco = Fifty Fifty Dry Martini
3 gin Plymouth : 1 vermute seco = 3:1 Dry Martini
5 gin Plymouth : 1 vermute seco = 5:1 Dry Martini
7 gin Plymouth : 1 vermute seco = 7:1 Dry Martini (proporção preferida de David Embury, autor de The Fine Arts of Mixing Drinks)
10 gin Plymouth : 1 vermute seco = Naked ou Direct Dry Martini (criado por Salvatore Calabrese, o gin sai diretamente do freezer)
15 gin Plymouth : 1 vermute seco = Montgomery's Dry Martini (o preferido do Gal. Montgomery, comandante das forças armadas inglesas da Segunda Guerra)
Somente gin gelado diluído, sem vermute = Churchill Martini (o nome dispensa apresentações, certo?)
Dirty Martini é um gin martini com salmoura de azeitona
Filthy Dirty Martini é um gin martini com suco de limão e salmoura de azeitona
Salty Martini foi criado por Salvatore Calabrese e leva jerez fino e salmoura de alcaparras
Smoky Martini é um dry martini com um toque de Islay whisky.

DECORAÇÃO

Aqui não há grande controvérsia: seu Dry Martini pode ser acompanhado de um twist de casca de limão siciliano ou azeitona. Minha dica: prefira sempre o twist quando você não souber qual a qualidade da azeitona, pois ela pode arruinar um coquetel perfeito. Variações na decoração levam a Dry Martinis com nomes diferentes:

Gibson = com duas cebolas de coquetel
Bohemian Martini = com alcaparrone
Dickens Martini = sem nenhuma decoração, nem mesmo azeitona ou twist
Franklin Dry Martini (vermute é gelado e descartado antes de mexer o gin) = com duas azeitonas
Gin Salad Martini = com 3 azeitonas e 2 cebolas de coquetel
Roosevelt Martini = com 2 azeitonas
Tenner Martini = com grapefruit bitters e um twist de casca de grapefruit

Tanto o Franklin quanto o Roosevelt são versões criadas pelo 32º. Presidente dos EUA, Franklin Delano Roosevelt.

O mítico bartender Dale DeGroff alerta para usar sempre a decoração gelada ou “ela irá cair como uma bomba térmica em seu coquetel”.

ency 77 image

Roosevelt Martini

COMO SERVIR

Up, on-the-rocks e até mesmo frappé (com gelo moído) são variações que aparecem em livros de coquetelaria. A mais tradicional é em uma taça gelada, sem gelo. Por isso, sempre que você estiver servindo alguém, pergunte qual a preferência de proporção, preparo, decoração e modo de servir.

3 COQUETÉIS CLÁSSICOS COM PLYMOUTH

Dry Martini 5:1 (por David Embury)
70ml gin Plymouth
15ml Vermute seco
2 dashes de Orange bitters
Mexer com gelo e coar para uma taça gelada. Decorar com azeitona gelada ou twist de casca de limão siciliano

Gimlet (por Charles Schumann)
75ml Gin Plymouth
37.5ml Rose's Lime Cordial
7.5ml suco de limão
Bater com gelo e coar duplamente para uma taça gelada. Decorar com cereja maraschino.

Pink Gin
60ml de gin Plymouth
3 dashes de Angostura Aromatic Bitters
3.5ml de xarope simples
Mexer todos os ingredientes com gelo e coar duplamente para um copo gelado.

ency 71 image

Pink Gin

Leia mais sobre o gin Plymouth e suas notas de degustação por Simon Difford.

×
  • Bem-vindo (a)
  • Receba atualizações com muita informaçãosobre bebidas, bares ecoquetéis
  • Por favor, confirme que você tem mais de 18 anos e insira seu email
  • Não obrigado, continue para o diffordsguide.com
CSS revision 6397977